Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Dois mil e dez

Éramos cautelosos,
devido ao incerto.
O início inseguro.
O grito preso em nossos peitos.

A responsabilidade por um todo.
Nossa obrigação ao melhor.
O peso de nossas vontades,
contraposto ao peso de nossas obrigações.

A seguir veio de tudo.
Vidas criadas em vidas.
Caminhos distantes aos que traçamos.
Ser ilícito.
Ser um nada.
De tudo fomos, em tudo.
Aconteceu.

Insanidade aliviadora.
Prezadas noites de impulso.
Em cada tropeço,
um gole e um cigarro.
Porres de alegria.
Pesares de erros.
Cicatrizes inconseqüentes.
Todas conseqüências.

Ressalto o mais simples.
Amor de irmão/amigo.
Um novo Kharma,
nossas conquistas.
Não fomos de alma pequena.

Minha lamentação devido ao fim.
Porém, Agora.
A nova vida nos espera,
junto aos tapas que o mundo nos dará.

Com todos os defeitos,
2010 foi perfeito.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Irreverente igual

Você se lembra,
dos dias em que tentamos ?
Você se lembra do tempo,
em que o tempo era o mesmo ?

Independente a tudo o que passou.
Continuamos.
Falidos por moral própria.
Decadentes em buscas mal-sucedidas.
Somos a carne fraca,
que cede a tentações.

Pensar em um melhor.
Agir pelo pior.
Andamos em círculo,
contornado nossa fraqueza.

A sina de espera,
em surgir uma ascenção.
O comodismo podre,
indiferente sempre e sempre.
Quando apanhamos,
prometemos algo novo.
Mas apanhamos tanto,
que nem lembramos o que prometemos.

Nosso medo.
Medo em ter coragem.
O movimento de uma mão,
na ação em ser covarde.

Velho mundo.
Sempre igual.
Somos impulso,
no ato de um corpo avulso.

O que achamos,
radicalmente nada igual ao que pensamos.
Nosso dom em não ter dom.

Tudo volta.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Infeliz Natal

Conspiração comercial,
verdadeiramente aclamando
ao espírito capitalista.
Não se mede esforços,
na busca pelo supérfluo.

Comemoram Cristo ?
Dizem ser o nascimento de alguém.
E alucinam-se por todo o mundo,
festejando, mesmo com a incerteza desse alguém ter existido.

Dê presentes.
Agrade ao mundo Microsoft,
ao astro Coca-Cola,
a constelação Apple.
Movimente essa galáxia
da qual nos tornamos cada vez mais dependentes.

Crianças iludidas.
Na esperança de um brinquedo.
Tenho pena das pobres,
que crêem em um gordo vestido de vermelho.
A verdade é mais baixa.
Seu pai não tem dinheiro.
Você não ganhará.

A mania de julgar,
pressionada ao tal de "espírito natalino".
Maneiras tradicionais,
na qual devemos nos comportar.
Novamente atingem nossos instintos,
buscando impor uma forma de sermos.

Sou livre e odeio a conspiração natalina.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

7 dias

A complexidade em tornar perfeito,
tão simples por estarmos juntos.

O passado inexistiu,
por constante ser nosso presente.
Defeitos eram irrelevantes,
em nossa sede de convívio.

Nada egocêntrico.
Nada de egoísmo.
Amor, amor de irmão.

Nasceu em uma apreensão.
Cresceu em nossas vontades.
Morreu então, sendo hoje memórias.
De volta a nossa realidade,
a dor em não poder reviver.

Dias de risos.
Dias de choros.
Os melhores.

Fomos 13,
em uma mesma alma.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Boa sorte

E quem diria,
que o acaso os traria à mim.

Nos encontramos pela sorte dada.
Na incerteza de um caminho desconhecido.
Partilhamos os mesmos medos.
Sofremos as mesmas dores.
Choramos as mesmas alegrias.

Nos unimos por distinções,
amando juntamente uns aos outros.
Nunca houve a vergonha em demonstrar.

Todo o meu choro. Verdadeiro.
Lágrimas de desespero.

Era nítido a necessidade de um fim.
Mas doeu.
Pior que a insegurança do início.
Pior que o tédio e a incerteza de um meio.
O fim doeu.

E hoje, o tempo me marcou.
Apertou meu peito.
O tempo. Sempre ele.
Novamente o tempo.

O fim dos risos e das leves mentiras.
O fim dos dias em que tentamos morrer.

Anos, vidas, diferenças e um final.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Nosso

E de repente ela vem.

Caminhamos envelhecendo.
Infinitamente somos, fomos, de tudo, em tudo.

Observava uma velhinha.
Pele deteriorada.
Cabelos ralos e esbranquiçados.
Pelo estado de seu corpo,
caminhar é algo considerável.
Claramente demonstrava cansaço.
E era eminente,
a deficiência de sentidos.
Não parecia conformada.

A sua luta em manter-se hoje.
A difícil incerteza em poder talvez estar amanhã.

Uma senhora.

Nenhum olhar,
ou mísera palavra a mim direcionou.
Mostrou-me a vontade em insistir,
permanecer.
Evidentemente muito tempo não lhe resta.

Exatamente.

Caminhamos contra o tempo.
Brigamos em suas imposições.
Raramente lhe aceitamos.
Precisamos aceitar.
Quem vence é o tempo.
Quando o nosso tempo acaba.

Por vontade ou azar.
Independentemente de alma.
Acontece.
Nossa única e exclusiva certeza.

Por extremas decisões,
distinções em como a encarar.
Vivendo sonhos ou não.
Lutando por ser ou não.
Nos deparamos vivendo,
e de repente ela vem.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Vale a pena ?

Abdicar-se da própria natureza.
Menosprezar a si próprio.
Ser, por influência alheia.
Deixar levar-se por um caminho em vão,
na ironia da existência.

Amor próprio inexistente.
Essência manipulada.

Querer,
por fim dinheiro.

Lamento a quem não teve chances.

Escravos da vida por única opção.
Escravos do mundo por alienação.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Você entende ?

Nomeie seu Deus,
dispare suas armas.
Julgue pela própria incompetência.
Perca-se por pura insegurança.

Traçamos caminhos,
que por muito lamentamos.
Buscamos glórias,
com esforços medíocres.
E de nossa natureza,
a sina de ingratidão.

Buscar a culpa fora de sí.
Omitir-se grotescamente,
com sensação de falso alívio.

Fazemos por puro erro.
Perdoamos por pura nobreza.
O orgulho remanescente,
com sentidos de superioridade.
Vítimas esperançosas.

Você se importa ?

Apenas perdoe, esqueça.

domingo, 21 de novembro de 2010

E fica assim...

No despertar de um pensamento, observo o sol nascer com meu olhar cansado e prestes a se por.


Enquanto a vizinhança sai pra ir à luta, eu viajo ao som de Alice in chains, e me ponho a pensar na morte. Um tabu pra alguns.
Sinceramente, eu não sei até onde vou chegar, não sei se paro por aqui, ou se chego muito adiante.
A cada dia que passa me sinto mais preparado a um possível encontro com a luz. Mas julgam estranho, o fato da minha aceitação ao silêncio eterno.

Vivemos num lugar ambicioso em relação a tudo, e suficiente ao ponto de estressar. E diante dos mundos que criamos eu me ergo, me sinto calmo e retomo a escutar nutshell. Volto a sentir o abraço dela, os sorrisos dos amigos, as realizações da família, e percebo que não adiantará planos pra um futuro mais distante.
Se eu não durar muito pra mim foi o melhor. O que ficar, que seja eterno, pois a carne que eu carrego pra terra irá voltar.
Todo valor que eu representar a alguém, espero que faça falta. Que toda saudade seja justa e honesta, sem tablóides clichês, ou misticismo sentimental por generalização.
Quando pensarem em mim, que lembrem da intenção que fui. O melhor, foi o que busquei à cada um que eu realmente amei.
Dificilmente, ou nunca, entenderão o que prezo por morte. O meu deixar ao além. Meu desejo em morrer cedo. Dizem que só damos valor a vida, quando nos deparamos bruscamente, e intransferivelmente com a morte. Mas claramente, minhas decisões e intenções de fim, não são por ingratidão, ou muito menos infelicidade. Foi minha escolha, e nós já nascemos providos desta escolha. Respeitem. Esse é meu caminho.

Deus (Sim eu creio). Dizem que sabe a hora certa. Eu sinto e torço pra que não deva demorar. Mas quando estar prestes, quero sentir e saber, pra abraçar todo mundo, que pra mim nunca irá morrer.

sábado, 13 de novembro de 2010

31/10

Acabou a depressão,
dias de arrependimento,
momentos de regressão.

Um domingo.
Suficiente.

O inesperado novamente acertou.

Ali, não existia mais nada.
Não havia ontem.
Não havia amanhã.
Podia chover,
ventar.
Nada mais importaria.

Um abraço !
E foi-se embora meus velhos medos.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Acéfalos

Sua falência de bom senso
alcança a ignorância visual.
Sua beleza bizarra,
pela aberração corporal.

Quanto maior, menos gente.
Sinto nojo, repulsa, pena.
Teus músculos não pensam.

Toda excentricidade exacerbada é
carência de noção.
Essa falsa impressão de saúde.
A ausência de destreza.

Bombadinhos de orkut,
e o clichê "no pain no gain".
A mediocridade de se acharem superiores.
Isso jamais seria inveja.
Muito menos trauma.

Pequenos são os que se medem pelo tamanho de seus músculos.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Novamente, após o depois

A insistência em um erro
A ausência de virtudes
Um vício incontrolável
A fraqueza em não ser límpido
O corpo que cede

Minha regressão
Minha vergonha
Meu arrependimento

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Comum

O auge de um dia,
em algo nem tão importante.
O que deixamos de notar.
O que julgamos insignificante.

Taxamos a vida a menosprezo,
por pura ingratidão.
Nos desviamos por sentidos inválidos,
erroneamente buscando uma mera ascensão.

Trocamos afeto,
por materialismo.
Matamos amor próprio,
pela glória de alguém.

Tornamos nossas vidas secundárias.
Fazemos do bem alheio,
pessoalmente nosso mal.
E tudo isso,
jogado fora.

Por fim,
a cicatriz de uma cara dada à tapas.

domingo, 24 de outubro de 2010

Identidade

Intenções por busca.
Descobertas próprias.
Esquecimentos desejados.
Alienações prazerozas.

Porque o vício,
Com o oposto não pensado,
é o que atrai e alucina por início.

Julguem drama.
E entendam ao passar pelo mesmo.
Incluso em quedas.
Presente em arrependimentos.

A insegurança em ser alguém.
O traçado pela diferença.
Buscar não ser mais um.
Seguir vontades.
Conter impulsos.

Ser mal visto,
e se importar.
Por inocência sincera,
ser exemplo.

ídolos inspirações.
Afeições em devoções.
Exemplos de nosso impossível.
A inveja por não poder ser do mesmo.

Somos únicos.
Por valores própios.
E por pior que seja.
Não medíocre ao ponto de sermos resumidos.

É a busca do caminho em ser alguém.

Adiante

Continuemos.
Procurando.

Mundos pensados.
caminhos.
Tudo irrelevante,
ao que se julga de bem.
Nada necessário,
valioso em ser natural.
Experiências forçadas,
desgastes causados.

Percorremos por lados compulsórios.
Em destinos não felizes por abstração.

Buscas ao infinito,
em um tudo limitado.

Poderia escrever mil linhas.
Com humor de alguém estranho.

Depressão é verdadeira.
A realidade é quem foge.
Inventamos por não ser.
Mentimos pra sobreviver.

Tão quanto fútil.
No mundo de que consumimos.
Verdadeiramente,
o que temos nos consome.

Depare-se ao fundo do poço.
E siga mantendo

Nossa guerra pessoal.
Na vergonha em você.
Um alfa decadente,
negligente por um mal.

Fazemos muito pra que nos percebam.
Buscamos por olhares.
E por mais tímido e quieto,
tudo exclama atenção.
Precisamos ser lembrados.
Precisamos nos sentir alguém.

sábado, 23 de outubro de 2010

Último

Consumido por cansaço,
com a mente desgastada.
A esperança foi embora.
Minha vontade se matou.

Falar, falar, falar.

Ficamos cegos com o auge.
Iludidos pelo limite.
Adiante só persiste a decadência.
Numa vida em falência.

Quando tudo passa.
Nos deparamos com o tempo.
Por tudo o que deixamos de ser,
Com todas as vidas que inventamos.

Sonhos impossíveis.
Insegurança disfarçada.
Sorrisos inventados.
Mesmices impensáveis.
Idiotices necessárias.
Algo novo que fez bem,
e a mania de julgar.

Nosso amor próprio estuprado.
Nossa racionalidade invadida.

Vivemos,
acreditando que nunca iríamos envelhecer.
Envelhecemos,
como se nunca tivéssemos vivido.
E então você se fecha.

Precisamos esquecer.
Abraçar a dor,
e encarar o dia.

Meus olhos realistas,
Enxergaram o que é possível.
Descartando toda a utopia que um dia chamei de sonho.

Vou viver do que é real.
No egoísmo ao que somente me interessa.

A tudo que não me pertence, tanto faz.
Que todo o alheio se foda !

Termina aqui.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Engano

Fracasso social.
Arruino moral.
Ficção subliminar.
Desprezo com o real.

Exposição forçada,
pra um fascismo ditador.
A moda feita pela aceitação,
no engano que corrompe.

A maioria.
Pobre maioria.
A diferença explícita,
pelos nulos límpidos.
Integridade por vergonha em ser alguém.

Eu tenho pena,
de quem preza pela vida abstrata.
Tenho vergonha,
de expressões desesperadas.

A vida mesmo é aqui fora.

Você não é sua vida virtual !

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Importância

Tudo acaba.
Muda.
Numa imensa desproporção.
Nada é adequado ao quanto vale.

Fazemos muito do que odiamos,
por acesso ao mínimo do qual adoramos.
Essa é a baixa:
O tão-pouco, especial.

O melhor do que podemos sentir,
então rapidamente.
A apreensão pelos minutos inesquecíveis de uma vida,
talvez tenha durado anos.

Que importância você dá ao tempo em que espera ?

E não é só tempo.

Generalizando,
nada vale o quanto merece.

Percepções tardias.
Valores esquecidos.
Tudo pela ausência.
A dor da ausência,
pra fazer valer.

Lamente o que importe a você.
Mas lamente por saber do fim.
Pois,
por mísero que seja,
é digno de merecer ser inesquecível !

domingo, 17 de outubro de 2010

Me desculpe,

Mas minha persistência é esnobe.
Meu desejo é sublime,
em ações mal feitas.

Sou mal visto,
por um mundo de caretas.
Diferente,
no mundo dos iguais.

Querem ser motivo de orgulho.
Honrar talvez um nome.
Ser aos outros,
esquecendo de ser a si próprio.

Não por egoísmo.
mas por consciência.
"Eu só quero ser eu mesmo."

E foda-se o orgulho.

sábado, 2 de outubro de 2010

Desabafo

Não sei porque algumas pessoas ainda me olham. Não sei porque alguns ainda falam comigo. Eu não me interesso mais por ninguém. Nem por mim mesmo. E quem é que se importa com alguém ? Quem é que se importa com a minha depressão ?
Em tudo e em todos (as) que eu tentei voltar atrás, ou estabelecer algum contato, alguma normalidade de relação, deu errado. À Todos que eu liguei de madrugada por querer ouvir alguma voz, ou um mísero oi por msn, deu errado, e aliás obrigado pela educação em responderem meu oi, ou atenderem o telefone, obrigado até mesmo por fingirem algo que insinuasse o interesse em conversar comigo.

Enfim, me tornei um ridículo, um escroto, alguém que mereceu ser esquecido.

hahahaha olha só, eu desabafando em um blog que as pessoas nunca leram, ou só entram por curiosidade, ou por ser a minha atualização do orkut, que nunca gostaram do que eu escrevi ou disseram que eu escrevia bem por segundas intenções. O que acontece é que meu blog é cego, surdo, mudo, não tem reações, e só assim me sinto compreendido, ouvido. Só assim ainda me sinto alguém.

Minha baixo-estima se ridicularizou, me sinto a pessoa mais feia do mundo, e é horrível ligar pra isso, e principalmente se sentir assim. A minha timidez me impede cada vez mais com que eu seja eu mesmo, e que minhas vontades permaneçam sendo apenas vontades.

Eu odeio tudo o que eu fiz. Eu odeio quem eu me tornei. Odeio principalmente ter descoberto que as coisas que eu fiz não são legais, não me fizeram bem, e me fez perder quem gostava ou pelo menos tinha um mínimo interesse em mim. é horrível ter que carregar uma culpa e ter que se conformar com a realidade. É horrível estar no fundo do poço e não querer sair vivo. É horrível querer muito cometer suicídio.
Lamento muito tudo isso, principalmente aos meus pais, que nunca mereceram quem eu fui por trás deles.

Tudo o que eu tinha e acreditava não ter valor, se foi, fazendo eu perceber o engano em relação a não ter valor. Eu escolhi viver acreditando que o tempo nunca passaria, mas ele passou. Eu nunca liguei pro futuro, e hoje olhando pro passado, eu me arrependo amargamente por isso.
Eu me auto-destrui, fiz minha vida se tornar uma experiência, sendo meu corpo a cobaia.

Eu gostaria que todos que me conhecem lessem isso, mesmo eu não me importando se vão ler ou não. E eu nem ligo se não dão a mínima. Eu só preciso desabafar, nem que for com as paredes e com meu amigo imaginário.

Pra quem me considera um amigo. Pra quem diz ser meu amigo. Pra quem ainda se importa comigo de verdade. Desculpa. Pois eu lamento não sentir o mesmo.

Me desculpem por eu usar meu blog pra isso. A minha vida de verdade é aqui fora. Tudo o que eu achei que eu fosse nessa porra de internet, me fez estar enganado. A vida virtual é uma merda. É a pior fraqueza e covardia de alguém. É a pior ilusão social ou moral que alguém pode ter. É tudo alucinação.

Por fim, tudo tem seu preço. Hoje eu pago pelo meu !

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Cordeiro incapaz

Vejo nos olhos das pessoas,
a esperança conformada.
O impossível fracassado.
O futuro abdicado.

Vontades que somente serão vontades
em uma vida que nunca virá.

Eu vejo tudo isso desperdiçado.
A auto-depressão pelo abandono.

Foi fé.
Foi verdadeiro.
Toda crença de mudança,
hoje então nunca.
Pois o fim nasceu,
matando a todos os acomodados.

Hoje,
Brilha o desespero nos olhos cabisbaixos.
A expressão de abatimento,
o conformismo com o não, de uma utópica esperança.
Uma vida inteira de sonhos,
Jogada fora !

Pode ser eu.
Pode ser você.

Não se resuma em vontades,
ou será o próximo a lamentar-se diante de um espelho.
Somos carne e osso,
igualmente aos nossos ídolos.

sábado, 25 de setembro de 2010

Álcool

Máscara fajuta,
covardia inusitada.
Farsa enganosa,
desgraça concebida.

Fracasso lastimável,
presente vergonhoso.
falsidade comprimida,
sobriedade inaceitável.

Bebem pra não ser a si próprios.
Bebem pra encarnar a coragem.
Mentindo aos olhos da decepção,
morrem pela podre embriaguez.

Beber pra ser.
Mentir, trair.

Estupro social,
líquido utópico.

Compreende por deixar que não seja.
Alucina a sanidade corrompida.

E bebem por não serem o que ganham.
Arrependem-se por terem sido que ganhou.

domingo, 19 de setembro de 2010

Hoje

Sorriso bondoso,
generosidade mal intencionada.
Intenção leviana,
verdade arruinada.

Charuto cubano ao João de Deus.
Pedra de crack pro Zé ninguém.
Enquanto o superficialismo
satisfaz por ser bom gosto,
a miséria é tida como única opção.

Vejo a fé de um povo na TV.
Ando nas ruas, e vejo arruinados
depositando as últimas esperanças em um Deus.

Deus ?
Sim! Vou questionar Deus de novo!
Dizem que um cara chamado Jesus Cristo vai descer e salvar a todos.
E aonde está esse tal de Jesus ? Por onde anda ele ?
E essa história de Deus,
é verdade mesmo ?
Falam muito dele em um livro.
Mas o que sei,
é que fomos nós que o escrevemos.

Pra qualquer lugar que eu olho,
eu enxergo contradição.
E isso só me faz crer,
cada vez mais,
cada vez mais !
Que pra realidade Deus não existe.

E se eu falar de guerra,
falar de fome,
de aborto,
e blá blá blá...
Vou ser taxado de clichê.

Pois bem.
O mundo é clichê.
O ser humano é clichê.
A sociedade é clichê.
Toda desigualdade é causada.
Nada nasce com o mal futuro já traçado.

Idéias vagas.
Idéias realistas.
Porém,
Revolta tola.

Enquanto eu escrevia,
alguém morria de fome,
abortos eram praticados,
e mulheres eram espancadas.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Lembrete

Enquanto houver barulho, cale-se. Somente quando pairar o silêncio, fale. Essa é a hora.

Saiba que você não é nada. Saiba que você não é ninguém, e não pense que seja fácil alcançar o sonho.
Se desejar a fama, você terá. Se buscar a riqueza, você terá. Mas se quiser o verdadeiro reconhecimento, lhe digo que dificilmente o terá.
A fama é passageira, assim como o dinheiro, que vale menos que a verdade.

A eternidade existiu a todos que menosprezaram a fama, que não perderam-se por dinheiro. O reconhecimento existe somente è quem merece ser lembrado. A quem é útil diante do fútil.

Meu silêncio é nobre, e não dor. Nunca estive aprendendo tanto na minha vida. E nunca imaginei que pudesse ganhar tanta experiência por me calar. Quem muito fala, se perde, e expõe fraquezas.
Isso quer dizer então, que o que quero é eterno.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Geração Fracasso

E tanta gente morreu pro agora acontecer.

Eu tenho pena dos revolucionários contemporâneos. Tenho dó dos comunistas, que quando tiveram a chance de comandar, se corromperam. Socialistas revoltosos, que nos dias de hoje querem pregar a igualdade social.

Vejam bem, Deus então é terrorista. Pessoas não vivem por si só. Influenciadas por um livro, deixam de viver, na ambição da própria morte. São tantas doutrinas, e uns acham que os outros estão errados na forma de cultuar Deus.

São sociedades distintas. São pessoas iguais.

Somos os que alcançaram o fundo do poço. Os possuídos pelo status. Somos a desgraça racional, egoísta, consumista. Somos a geração lixo, sem peso e nem influência nenhuma. Somos tudo o que a história quer esquecer. Somos os filhos bastardos da terra.

"Você não é sua conta bancária. Você não é suas roupas."

A televisão causando orgasmos na vida de manipulados. O dinheiro comprando casas em condomínios de luxo no céu.

Você também precisa considerar o fato de Deus não gostar de você, ou o fato dele não existir. É, porque é fácil coçar a própria bunda, e entregar em mãos inexistentes problemas reais.

Por mais que um trago lhe tire da realidade, ela continuará existindo.

Extinção.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Amor

Causa depressiva,
instinto psicótico.
medo viciante,
ignorância adjetiva.

Fé esperançosa.
Dor de rejeição.
Incerteza à quem se expressa,
desgraça de afeição.

Amar nunca fez bem.
Amar nunca foi bom.

Cria o bem de um mal,
engana os sentidos.
Cega aos olhos realistas.
Estremece mãos firmes.

Instinto degradável,
de um corpo que só devia pensar.
Opressão da alma,
que insiste algo amar.

Quem vive a sua busca,
tende muito não viver.
Porém, é um sentimento oculto em tudo.

Não tem jeito,
quem existe ama.
E talvez seja esse,
nosso maior defeito.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Suicídio

Convivência burocrática,
decadência racional.
Simpatia enganosa,
conformismo de um mal.

Deus ?
Deus não me ouviu,
me deixou falar sozinho.
Deus não me zelou,
nunca me quis,
me abandonou.

Cruz de um carma,
a indignação pela própria culpa.
Ausência de espírito,
pressão sob uma arma.

Pensamento alienado,
na coragem a ser tomada.
Receio em viver,
encarnação fracassada.

O verdadeiro egoísmo,
seja talvez insistir.
Buscar a paz interior,
do próprio corpo desistir.

A esperança,
na melhoria pela ausência.
Deixar que sigam seus caminhos,
sem sentirem sua presença.

Fazer do fim,
um recomeço à quem te ama.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Bíblia

Livro qualquer,
com histórias inventadas.
Farsa protegida,
Misticismo barato.

Estúpidas convenções,
que aclamam a contradição.
Fazem de um livro,
idolatria à alienação.

Não condiz aos nossos instintos.
Nos ressalta a um engano.
Insinua hábitos em crenças,
Ilude à quem cria por seu modo,
Afronta o fato de ser humano !

Livro sem Nexo,
Que "ensina" a adorar.
Palavras inventadas,
com intuito de manipular.

Deus deve sentir vergonha.

A bíblia é uma farsa !

terça-feira, 13 de julho de 2010

Modinha playboy

Presente miserável.
Mídia degradável.
Moda inútil, fútil.
pra um podre, adorável.

Nada disso me agrada.
Nada ridículo me fascina.

Pobre de pensamento que se fez medíocre,
por ser então a "maioria".
Pobre pessoa,
que age por ação alheia.

Autenticidade pode não ser bom gosto
aos olhos de quem enxerga,
Mas aos olhos de quem faz,
é orgulhosamente a cara própria.
Pensamento e ação.
Originalidade.

Moda existe pra quem quer seguir.
Quem age por sí,
faz o único.
Doa a quem doer.

domingo, 11 de julho de 2010

hax

Me transforma,
me alucina.
tira meu eu,
me assassina.

É a vontade,
que me cegou de prazer.
Foi o novo,
que à mim só fez morrer.

sentir o vento com pessoas ao seu lado,
sentir o quente de um abraço desejado.
Milhares de pessoas à sua volta,
mas persiste a vontade em ser só.

sozinho,
porque quis ser impulso.
Mente vazia.
Corpo avulso.



I'm Alone !

terça-feira, 6 de julho de 2010

divulgando novamente: Pra Layne Staley

Utopia é ilusão,
apologia existe
eu sei !
o mundo corta os pulsos,
covardia é gay.

Se guerra mata,
Fome mata.
por que não morre o dinheiro ?
a vergonha em ser justo,
desleal por inteiro.

Televisão mente demais !
Jovens, nós somos melhores
heroína trazendo a paz,
descansando pra sempre.

O meu herói
morreu de overdose
foi um speedball
que fez sua ida precoce !

terça-feira, 29 de junho de 2010

Depressão

Sem vontade pra futuro
e nem tempo pro agora,
eu escondo o que me dói.
Que não arde só meu corpo,
evolui,
me queima a alma.

Lágrima burra,
fiz cair por culpa minha.
Confinamento próprio
Abstinência do que tinha.


Eu só quero não lembrar,
esquecer, poder voltar.
Ser a vida não visível,
deixar meu mundo abdicar.


Surrealismo encantador,
mentiu pra mim, virou minha dor.
Exibicionismo tímido,
enganou minha humildade,
por trás era arrogância.
Orgulho fútil,
que no fundo era medo de não ser notado.

Só não deixe a emoção tirar seu corpo.
De resto aprenda,
e faça jus.
deixe de sentir,
e seja por RAZÃO !

sábado, 19 de junho de 2010

Queda

mendiguei minha esperança
pra poder sentir a fé.
E foi só fé.
Esperei, e só caí.

Perco hoje a coragem pra voltar ao velho medo.

Vou sorrir por simpatia
só pra não me apegar em ninguém, aprofundar em ninguém.

Minha fé fez ironia,
se fez de fé pra ser somente.

Enterro junto o meu ânimo
e cuspo em cima da emoção,
que me fez sentir o mal,
por esquecer de ter razão.
Esperto é quem se cala,
evita crer no não.

Também tiro minha máscara,
pois não sou o que faço.

Vou deixar de fazer rir,
já que deixei de me sentir.

domingo, 13 de junho de 2010

Pra quem acha que é bom

Quem é você pra falar de vida ?
se a vida pra você, vai ser só sua.

Se ser bom é ter bons modos,
pegue minhas palavras
e as enfie no seu cú !

Cansei de ouvir a voz gritar.
Dizer que viu o que acontece,
querer mostrar o que é errar.

Cansei de sentir o olhar desanimado,
o dedo apontado.
Por me ver e me achar tão fracassado.
Todo o meu melhor,
veio pelo inesperado.

Acredite em mim!
Exemplo alheio é só exemplo.
Fato próprio, é só o nosso.

O meu tempo passo eu.
O meu caminho faço eu.

E isso não é revolta.
É consciência.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Pai

Pois é pai.
Eu tão diferente.
Nunca bom,
ou bem como você
sou talvez o que não queria.

Talvez seu erro quanto a mim
tenha sido a liberdade.
Foi por ela que errei,
foi por ela que apanhei.
Mas seu pecar em me deixar ser livre,
trouxe muito do que ganhei.

Corro atrás do meu caminho,
por mais que doa em você.


Eu que nas maiores oportunidades
fui pra todos um desgosto,
que ao seu olhar,
eu, nunca tão certo,
e pro seu jeito, eu tão errado.
Sou com todos meus defeitos feliz por quem sou.

Já tentei ser diferente.
Já fiz muito só pra lhe agradar.
Fingi ser quem por bem não era,
pra sentir você me amar.

Me perdoe por eu não ser o ideal.
Me perdoe, por eu ser talvez seu mal.
Eu queria poder te dar orgulho,
mesmo à você eu não sendo igual.

Mas, por pior que eu seja Pai,
por você eu oro,
por você eu amo.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Sou

Sou o erro da curiosidade.
Sou o livre do meu mundo.
Sou o incerto do pensamento,
que pensa,
pensa, mas não age pro julgado "acerto".

Sou a depressão pós droga.
Sou a realidade sem Deus.
Sou a esperança ausente de fé.
Sou o honesto da frieza.

Eu sou o erro.
Eu sou o incerto.
Eu sou o comodismo.
Eu sou o rosto limpo com cicatrizes de quem deu a cara a tapas.
Mas sou um erro consciente.
Perdi meu medo de ter medo.

Na busca pelo acerto,
eu sou o mal que busca ao bem.
Eu sou o erro porque penso,
e por pensar, não sei quem sou.

No final,
somos almas julgadas,
de um ex corpo,
então pó.

Vale mesmo ser o certo de uma sociedade ?

Ninguém escreve a própria morte, pra só ser o que lhe falta.

Ninguém sente um outro coração,
ou muito menos uma outra razão,
pra poder dizer o que é certo então.

Quem foi acerto ?

Pensar por si mesmo, é egoísmo.
Pois diante do seu agir, ferido fica quem te ama.
Mas se não for esse egoísmo, não faremos nosso caminho.
E ao ver seu corpo em pó, se arrependerá de não ter sido uma metamorfose.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Ovelha Negra

Estranho,
complexado,
incompreensível,
mal amado.

Será você um motivo de desgosto,
por não ser o certo e dar ouvidos a coragem.
Será você um poço da desgraça,
que aos olhos do "correto" é taxado de anormal.

Meu rosto errado,
transmite a honestidade de ser sincero à quem eu sou.

Prefiro ser essa ovelha negra que ao seu gosto erra,
e ter orgulho de mim mesmo,
que me arrepender de ser o "certo ideal" na sua sociedade.

Louco mesmo,
é quem procede o normal.
E lá no fundo da alma,
aprisiona a coragem de ter coragem,
e ser quem tem vontade.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Seja

Deixe surgir,
cair então a lágrima.
Dói ser diferente.
Dói não ser gente.

Sofra por ser você.
Sofra por não ser igual.
Sinta pelo orgulho alheio,
que mente,
apenas pra falar mal.

Seja forte,
rico mentalmente.
Eleve sua alma,
esteja sempre à frente.

E vão te chamar de gay,
por viver sem preconceito.
E vão dizer que você mudou,
por ter o próprio conceito.

Eu só quero ser eu mesmo.
Poder talvez me amar.
Sem vergonha de ser livre,
sem nem mesmo agradar.

Eu só quero ser eu mesmo.
Sem ter medo de errar !

sexta-feira, 21 de maio de 2010

livro

COMECEI A ESCREVER MEU LIVROOOOO *_*

portanto, estarei dando um tempinho com minhas postagens aqui :/


logo logo tudo volta ao normal.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Digno da vida

Quem confia, precisa aprender a cair. Porque só a partir do momento em que agente não se ilude esperando que alguém seja o que nós esperamos ser, é que a vida surpreende pra melhor.

Quem faz é a vida no tempo.
Eu só quero desencarnar.
Ser um anjo, ajudar sendo invisível !

domingo, 16 de maio de 2010

Novo

Levante-se,
erga-se.
Tudo é tempo,
não há fim.

Dói demais fazer do presente,
a vitória no futuro.
Covarde demais,
no então do futuro,
não ter sentido essa dor.

Caminhe com seus pés,
caia com seus erros,
mas ganhe com sua formada experiência.

Pertencemos ao tempo,
pré feito das conseqüências.

domingo, 9 de maio de 2010

Filosofia fato

Pensar, é egoísmo.
Amar, é pessoal.
Ser, é indefinido.
Ódio, é falta de conhecimento.
Falar, é perigoso.

Quando concluem sobre evolução, não levam em questão o psico. Porque o diferenciador da nossa espécie, é a causa da desigualdade social e moral.
Enquanto o Homem pensar, existirá o erro.

Último

Eu atingi o limite da minha regressão. O normal das pessoas é errar pra acertar. Parece que eu acertei demais, pra depois errar.Eu acostumei as pessoas com o meu melhor, sem mostrar pra elas o tão ruim que eu posso ser, e agora então, todo mundo vem dizer que eu mudei, e pra pior.
Eu regredi, eu sei disso, eu só queria a paciência e o conformismo das pessoas em não se preocupar comigo, porque se forem se preocupar comigo, vão quebrar a cara. Me deixem, logo logo tudo vai recomeçar pra mim. Daqui pra frente só depende de mim mesmo !

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Inferno Privado

Quem é seu Deus ?
Ele manda matar ?
Corre o tempo,
brilha as rugas.
E no final de tudo.
Nossas decisões.

Não se deixe ir.
Nós pagamos nossa conta um dia.
No fim,
volto pra terra.

Queime tudo
e sinta arder.
Vista o negro do meu luto.
Derrotas,
derrotas.

Velho mundo, que apodrece.
Velho, não faz surgir o novo.

Deus mandou matar.
Deus manda matar.
Ele te disse ?
Besteira.
Só não se deixe ir.

domingo, 2 de maio de 2010

Aprendiz

O inesperado tende a amadurecer e tornar forte.
E errar é o mesmo fundamento
Mas,
o em vão irônico da vida,
desvia o caminho da glória.

É.
Viver de acertos não existe.
Não existe pois o ganho,
ganha quem erra,
errou e fez disso experiência.

Perfeição !
Desgraça de ilusão.
Que faz que a vida,
viva em sua busca.

Bom é quem se firma.
Quem acerta.
Torna forte.
Se concerta.
Que se orgulha do não,
dito ao em vão.
Pensa o bem,
e é honesto.

Erro, fracasso, consciência nossa, justo e real: Consequências.

Pensem, pensem.
pois o erro machuca.
E só revisto,
é acerto.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Andróide cinza

Sacie do pulmão.
deslumbre o incorreto luxuoso.
Não faz bem,
que mal tem ?
É prazeroso,
e não te afeta.

Derrube novamente,
até não erguer mais.
Mate,
Destrua,
ensine como faz.

Sua incerteza ignorante,
queima o presente,
destrói o futuro.
Acabe com o nosso,
com o meu,
com o seu.
Enriqueça sua pobreza
com tudo o que morreu.

sua filosofia ?
existe, é burra e egoísta :
" É de mentira meu respeito.
Finjo mesmo é que não sei.
Se é extinto não me importa,
me interessa o que lucrei. "

E lá se vai nosso pulmão,
pelas mãos de quem não Vê.
Que só enxerga ao dinheiro,
e o verde faz morrer !

terça-feira, 27 de abril de 2010

Planeta Petróleo

Tem ódio.
Tem miséria.
Há descaso com o irmão.
Ironia da promessa.
Desgraça e ignorância.
Mentira em sucessão.

Covarde !
Omisso !

Vem Nibiru !
Acabe logo com o real.
Antes do pensado egoísmo,
comprar o bem por mal.

Leve embora a carne podre.
A idéia fracassada.
A população medíocre,
que mata e trai por nada.

Tem fome.
Tem guerra.
E uma cruz na escuridão.
Vem Nibiru !
Destrua o homem !
Nunca houve evolução.

sábado, 24 de abril de 2010

Qual juíz ?

Tuda muda rápido.
É fluir pra surgir.

Querer não condiz com o fato de poder,
e assim aceitam o fracasso.

Quem é a evolução se nosso normal é regredir ?
O gosto de viver, como é sentido ?

Minha vontade se matou.
Cansou de ser vontade,
de ser tida como plano.

Sábios compulsivos.
É tudo em vão,
não existe um certo.
Nunca existiu.
O que fazemos é proceder o tradicional.
Continuar o então.

Só eu posso me sentir !
E quem é Deus pra me julgar se ele sabe o que faz ?

Sabe mesmo ou não existe ?
É que aqui tudo é dinheiro.

Tudo é tão rápido,
Mas nem sempre
adequado ao quanto vale.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Influência

A musica tem grande influencia na minha vida. Portanto queria compartilhar com vocês uma música da banda ALICE IN CHAINS que ao longo desse ano, foi a banda que mais me influenciou. com vocês DOWN IN A HOLE - ALICE IN CHAINS

Teoria da Felicidade

Pra ser feliz é preciso agir,
criar uma ação que gere reação,
e é dessa reação,
que surge o que nos proporciona a felicidade.

Portanto, pra ser feliz depende sim de nós mesmos.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Felicidade

Leve um tapa na cara.
Apanhe.
Seja humilhado.
Faça com que as pessoas riam de você.
O importante é aprender.
Não basta nascer e sobreviver.
Ganhe experiência.
Crie consciência.

Tudo vem de nós mesmos.
Não deixe que a emoção mova sua razão,
mas não deixe sua razão ausente de emoção.

Viver e ser feliz.
Indiretamente não é exclusivamente.
Sim,
o alheio influencia.
Mas só torna a exercer,
se você crer.

E eu concluo erroneamente.
Que pra ser feliz,
basta alienar a mente com o peito.
E que pra ser feliz,
Depende apenas de nós mesmos !

domingo, 18 de abril de 2010

Cigarrets

No malabarismo dos dedos à boca,
se prende ali viciosamente
o câncer comercializado.
Escondido no charme do prazer.

Num simples movimento do polegar,
sobe a chama.
E é aceso o passaporte pro inferno.

Queima tabaco.
Queima nicotina.
Queima Deus.
Queima pulmão.
Alimenta meu vício,
me faz perder a razão.

Some a verdade.
Se questiona a educação.
Permanece um espírito vergonhoso,
o mal cheiro,
e a ilusão !

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Drogas

Sinto meu corpo flutuar
Meu olhar desolcado, porém fixo.
Minhas mãos tremem
O som repetitivo
Tontura
Prazer e bem estar.

É como se eu tivesse acabado de ir ao inferno, e os anjos de Deus então, eis que me puxam de volta pra realidade viciante.

Tem um homem gritando no meu ouvido,
talvez seja a decepção de meu pai.
Pois é,
eu que me julguei forte,
correto,
errei,
erro,
e continuo,
preciso disso,
mas acredito conseguir parar.

As vezes me sinto vazio,
e sob efeito me sinto preenchido.
Depois vem a depressao e o arrependimento.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Perfeito

A perfeição não existe,
por isso
me conformo em errar.
Não adiantará um mero esforço,
o máximo
será ao extremo alcançar.

Não se iluda com o auge,
e saiba
que ele é o início da decadência.
É perigoso confiar em uma idéia,
existe o tempo
e com ele o amadurecimento,
e a convicção em um novo pensamento.

Não se esforce pra ser perfeito,
ninguém é,
e nem vai ser
se preocupe com intenso,
conheça seu limite,
e saiba
que tudo nessa vida é passageiro.

Inocentes já não somos

Eu sei de tudo o que acontece.
Do concreto,
ao irreal.
E finjo não saber,
me faço de bobo,
tolo, ou qual.

A inocência se esconde,
se disfarça na discreção.
Talvez já não exista,
ora então morreu.
Sei que comigo não nasceu,
ou se fez em vão.

Eu penso forte
embora aja fraco,
mas me vale a intenção,
de errar sendo honesto,
ao vencer e ser fajuto.
perder e ser vaiado,
ao injusto e campeão.

terça-feira, 13 de abril de 2010

ilícito

O que te move ?
No meu mundo eu sou o rei.
Só lamento à todos neurônios que queimei,
em todos tragos que eu dei.

Essa realidade eu escondi,
do caminho certo eu fugi
e até agora não parei.

Doce veneno,
que se mascara no prazer
que te ilude e faz achar que tem poder.

Pobre anjo,
que perdeu a voz
Diante do ouvido surdo,
e dos olhos que enxergam apenas os próprios pés.

Maldito comodismo,
que enfim, me fez libertar a pessoa podre que criei !

A mentira chegou a mim,
e hoje caminha ao meu lado.
Já não omito pra sobreviver
e sim,
porque é isso que eu sei,
e no caminho que criei
o que me moveu,
fui eu.

Os pecados que exerci
Não mais corroem minha carne.
O vermelho do meu sangue leva também o tóxico que existe aqui.

Me controlar,
Juro que tentei.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Pra Layne Staley

Utopia é ilusão,
apologia existe
eu sei !
o mundo corta os pulsos,
covardia é gay.

Se guerra mata,
Fome mata.
por que não morre o dinheiro ?
a vergonha em ser justo,
desleal por inteiro.

Televisão mente demais !
Jovens, nós somos melhores
heroína trazendo a paz,
descansando pra sempre.

O meu herói
morreu de overdose
foi um speedball
que fez sua ida precoce !

Excêntrico

Me chamam de estranho,
rebelado, revoltado,
o que não sabem
é que existe alguém sorrindo
que acha estranho o normal
e o seu rosto engraçado.

Então sempre viver ?
por que nunca morrer ?
o pra sempre haveria ?
é que a vida entedia !



Eles esqueceram
que no final vem o descanço,
e que pra tornar eterno,
tem que deixar de existir.

Eles confundiram
Sobreviver e reproduzir
e jogaram no muro
um adestrado fecundado.

O primeiro passo pra se tornar eterno, é a morte.

Pós hoje

Posso ser o sol,
te aquecer e iluminar.
Posso ser o sol,
te arder e fazer queimar.

Quem é que vive sem errar ?
Quem é que erra pra nunca mais tentar ?
Se eu sou forte,
Deus veste preto.
A cada um se vai o destino,
com seu luto merecido.

E sendo assim,
Hoje é futuro.
E aqui estou,
eu sou seu anjo,
queimando as asas no meu rubro paraíso.
Leve contigo a coragem, pois a dor é fraca.
Forte mesmo é a saudade.

E aqui estou,
hoje eu sou seu anjo,
queimando as asas no meu rubro paraíso.

Ser coragem ou submisso ?

A essência e o auge é equilibrada pelos inversos.
A graça tem sentido na contradição.
O que seria do amor,
se não houvesse o ódio ?
como surgiriam as certezas,
se não houvessem as duvidas ?
Qual seria o sentido da vida,
se não houvesse a morte ?

Tudo tem seu ciclo, com início meio e fim. E tudo é merecido vivido nas consequencias.
Não reclamem, pois o mal reflete o bem. A dificuldade molda o indivíduo, e distingue o forte do fraco.
Irão se arrepender os que foram covardes,
E vão se eternizar os que foram corajosos,
Desbravadores do racional !

Consequências

Querer e poder é distinção.
Poder é preparação.
Querer Obsessão.

Força maior

Eu acredito sim em Deus. Só tenho medo dele não existir, e me deixar falar sozinho à noite, orando por todos aqui.

Um menor abandonado

Era só uma criança.
Que brincava de atirar.
Não sorria falsamente.
Nem sabia de ironia.
Só queria brincar.

Os pés descalços,
o joelho ralado,
a cárie nos dentes.
Dentes que não se escondiam,
não havia a vergonha de sorrir.

Pobre criança.
Se encarnou na vida errada,
mal sabe que era pra ser um aborto.
A simplicidade não foi uma escolha,
veio junto com a miséria.

Pobre corpo maltratado.
desgraçado.
Mal amado.
Com um caminho já traçado.
Morto,
é só mais um vingado !

Primeiro Post

Bem, só queria comunicar que tudo que publicar nesse Blog, será de autoria minha. Quando houver casos de publicação de algum material que não seja de minha autoria, irei comunicar no próprio post.

FIQUEM A VONTADE.