Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 11 de novembro de 2012

Confie onde piso

No intenso do som que me leva,
distante de qualquer local ausente de melodias.
Fico onde paira tal vontade.
Equivalente a minha.

Em um pecado formigante
escondeu-se muito longe a arte que me movia.
Ela volta, consta em nossa frente.
Ela se estabelece a cada novo segundo.
Segundos se desprendem do tempo de maneira consciente.
Eles querem carregar o dom.
Dignamente, a força do artista ecoa em nossos horizontes.

Estamos no Nirvana alheio.
O karma essencial para nossas virtudes
transam entre si de maneira coletiva.
Pelo bem, no próprio bem.

Ela grita a vontade subliminar.
Esconde falhas que lhe submete.
Evolui feito algo desumano.
Regride à mesma maneira anteriormente.
Vai voltar à evolução, é o ciclo.
Mas, regredirá ao status antes conhecido.

Isso é nosso espelho.
Somos o reflexo ilusório submetido à nossa utopia.
Acolhidos em cegueira.
Humanos, racionais.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Mofo

Cabeças de um mesmo lado. Uma grande frustração. Toda a ideia aparentada em uma base intencional, tudo isso desperdiçado.  Motivos que lhe fazem dizer sim é mentira mascarada de verdade. A sede em ter não lhe permite ser. A utópica sina em transparecer o que de fato você não é, mas que de uma maneira minimalista existe em uma essência reprimida. É a voz ditada pela pressão de ser mais um, a grande responsável por tal repressão. Livre não é estar acima pelos cantos em que você busca estar. É estar distante do topo almejado pelas cabeças rigorosamente indiferentes. Estar abaixo do que taxam ser de grande valor não é fracasso. Muito pelo contrário. Estar no patamar das mesmas cabeças regradas ao tradicional bem visto é que é o fracasso. É o fracasso em reproduzir. É o fracasso em fazer parte do geral. Permanecem consumidos por tudo o que consomem. A indiferença é tão imperceptível ao ponto de não sabermos o motivo de nosso vazio interior.