Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 28 de junho de 2011

Abstinência

A luz de um túnel cada vez mais estreito
ilumina agora somente minhas mãos.
Rasgos pessoais por vitrines superficiais.
Fumaça e liberdade,
tragadas por desleixo.

A cada risada um certo desespero.
O medo em machucar,
pela vontade em prosseguir.

É aquele peso que atrapalha.
É experiência morta por não ter me feito bem.
Ensinou-me a ser escravo,
ter vergonha por ter feito.
Mas aqui ao meu encontro,
nada tem me satisfeito.

Diferença pisada por meros semelhantes.
Sensação distinta prisioneira e agoniante.
Os passos tremem de incerteza.
Tenho medo do que fui,
e incerteza porque fui.

Minha renúncia voluntária
ao qual chamei de necessário,
me traz fome de saudade
do taxado, do vazio.

Faz bem, faz mal.
Mãos aflitas pela minha abstinência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário