Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 25 de março de 2011

Sarcas

Mostre-nos motivos,
pois mostramos os problemas.
Você nunca esteve aqui,
nem sentiu o sol arder sua pele.

Fracassou, mentiu.
Você sangrou crianças.
Fez miséria por contradição.
Errou em ser um homem.

Enfie o sorriso na sua bunda.
O dinheiro te protege.
Venha a nós, tenha coragem.
Sua imagem me estupra.
Seu espelho sente vergonha,
preferia não lhe refletir.

Carregamos nossas armas,
sem direito de atirar.
Esse grito tão incômodo,
é força que nos resta.

A morte não nos assombra,
palavras não morrem,
verdades não sucumbem.
Honro aqui nossa vigília.

quinta-feira, 24 de março de 2011

In my head

Por um efeito
cego de medo
Vício que deus não diz a respeito

Um passo certo
Algo bem forte
A luz que cega quem deseja a ver
Você sabe
sabe como é

Sei o que pensa,
mas essa é minha mente
Nunca quis o topo
ou estar acima

Livre de tudo
e de mim mesmo

Eu quero sentir
quero sentir na minha cabeça
na minha cabeça
livre
quero sentir
sentir

domingo, 20 de março de 2011

.

Nada.
Nada me representaria.
Calos inexistem,
mãos morrem.

Observe-se.
Aqui, a dor sobrepôs a audição por palavras não medidas.

Andei no caminho contrário,
com o tempo me desconheci.
Tentei ser muito e hoje nem o nada me pertence.

Você nunca me mereceu.
Sinto vergonha de mim mesmo.
Impotente por assim ter lhe deixado,
em ser a culpa de sua maquiagem borrada.
Tenho medo por você.

Estranho sentir,
voltar a ser isso.
Me acostumei com o céu
sem nem lembrar que inferno existia.

O mundo hoje lhe acolhe
ao mesmo tempo em que me esquece.
Dão graças por você.
A mim, os pregos dessa cruz.

Siga em frente sem medo.
Te ensinei a ser forte,
Diferente de mim, espero que consiga.
Por você mesma.

Um outro lugar me espera,
um outro dia nos veremos.
Mas tudo que te disse é verdade e permanece.

Um todo tão irrelevante,
palavra nenhuma suficiente ao que sinto.
Horrível, totalmente complexo.
Não sei nem se sou eu mesmo.

sábado, 12 de março de 2011

Nós

Sorrir com você,
enquanto na verdade
eu desejava não estar ali.
Olhar pra sua pele,
e a acariciar
me sentindo na obrigação de te fazer feliz.

O pouco que eu pude ser a você,
foi muito, comparado ao que eu pude fazer.

Eu não pertenço a esse lugar,
eu não pertenço a sua realidade.
Minha presença fracionada não é suficiente,
pior ainda é não haver outra saída.
Meu mundo começou,
estou dando a cara a tapas.

Deitar na grama ao seu lado e falar de futuro,
nem isso funcionou.
Não quero ser de mentira,
empurrar o seu tempo.
Já não faço tanta diferença,
e isso eu sinto.
Não tente me provar mais nada,
isso eu sinto.

Entregues pela sorte,
tudo que era nosso caiu numa rotina.
Nunca liguei de não ter tempo pra mim.
Nunca me importei com meu esforço feito.
Me chamar de impaciente
talvez hoje tenha nexo.
Mas, não é só culpa minha.

Esperei seu tempo,
esperei seus medos.
Vivi em seu tempo,
vivi em seus medos.

É ruim sentir isso,
mas pior é mentir.
Se não for pra ser forte,
não faz sentido insistir.

Garanto que é pra sempre por mais que não seja físico,
pois tudo o que passamos nem o tempo vai apagar.

Obrigado por tudo.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Dezoito

Qual tolo nunca sonhou em se tornar maior de idade ?
Dias de insanidade com independência,
poder e glória.

Erramos seriamente.

Aquele mundo novo do qual eu sempre esperei não veio.
Conquistei apenas responsabilidades
das quais esperava ter anos mais tarde.

Minha perspectiva de façanhas e conquistas.
Meu desejo a algo drasticamente foda.
Tudo somente imaginado.
Amanhã irei acordar e reviver os velhos dias.
Refazer a mesma rotina.

Não quero nada material.
Almejo apenas coragem.
Coragem, é disso que preciso.
Pois daqui em diante,
não haverá nada que me acoberte.
A verdade serei eu,
contra o peso de uma sociedade.

Sozinho e por mim somente.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Erugane

As dores do mundo pesaram seu traçado.
Olhar pra trás não ajudou,
só o fez piorar.

Decepcionado por sua presença,
Talvez normal demais pra ser lembrado.
O bom garoto da vovó,
o filho médico que mamãe queria ter.

Dentro de sí culminava algo parecido com ódio.
Era o próprio desgosto em não poder dar orgulho.
Veio de uma humilde família,
da qual passou a ser a esperança.

Visto e tido com seu jeito perfeito,
claramente seu externo demonstrava um mundo monótono.
Depressão era algo irreconhecível,
nem ao menos um hamster tinha ele pra chorar.

De carne e osso.
De sonhos distantes.
Deixou-se influenciar por decisões dos pais.
Não era essa sua vontade,
mas aceitou por não haver o direito de gritar.

Desgaste, cansaço.
E então seu estopim.
Restou-lhe uma dúvida.
Teria ele a coragem ?

Deu 3 passos e saltou.
Provou que não queria sua vida.

"If I can't be my own, I'd feel better dead"